Fantasticontos, escritos e literários

Blog para contos de ficção científica, literatura fantástica e terror

A Nação South – Episódio final


 

 

 

O jantar, bastante agradável, foi uma pequena aula para Ludmilla, que conheceu

mais sobre o excelente trabalho de Stéphany, na área da Química. Após comerem,

Stéphany apanhou uma caneta e papel e, a pedido da princesa, explicou-lhe seu projeto

ganhador do prêmio Nobel de Química (e que tinha posto em prática em South).

– Por favor, meu anjo, pegue caneta e papel pra mamãe – pediu a mulher à sua

filha, que foi imediatamente buscar. –  O que eu construi, Ludmilla, foi…  

Meia hora depois, o esboço com toda a explicação do fantástico projeto de

Stéphany estava apresentado na mesa de jantar. Contudo, para poupar a paciência de

nossos leitores e leitoras sem paciência para as minúcias da Química, evitamos nos

delongar com este detalhe que não interfere no curso dos eventos.

– Bem, voilà, eis a minha contribuição para a humanidade e, para a minha

pequena Daiera – disse ela, por fim, descansando a caneta e sorrindo para a filha, que

continuava a comer e ria sonsamente, com os lábios sujos de molho. Enfim, foi

inevitável que todos aplaudissem a cientista e a parabenizassem, mais uma vez,  por sua

fantástica ideia.

Quando a linda e pequena Daiera começou a bocejar de sono, Ludmilla sentiu

que era hora de despregar de sua brilhante amiga e ir para seu apartamento. Stéphany

insistiu que ela ficasse e dormisse no prédio dela, assim como Juliern e seu marido, que

aceitaram o convite de pronto. Ludmilla, ainda tímida, não cedeu a nenhum dos

diversos pedidos de Stéphany, Karl e Daiera, para que posasse ali uma noite apenas, na

casa da amiga. Por fim, conseguiu desvencilhar dos amáveis anfitriões. Seu desejo era

poder curtir sozinha sua recém-conquistada liberdade total. Sua solidão voluntária era

muito bem-vinda. Se despedindo de todos e agradecendo de coração pela hospitalidade,

Ludmilla voltou satisfeita para seu quarto, em seu prédio.

Posídon já voltara para o quarto de Hypólito e o encontrara-o em pé, olhando

fixamente pela janela. Lá fora, uma tempestade se aproximava.

– Filho, você precisa sair daqui agora! – disse o deus grego em tom de urgência.

– O que aconteceu, meu pai? – perguntou o rapaz, saindo do seu devaneio.

– Está decidido o fim de South para o nascer do Sol.

– Como você pôde! Eu achei que era um blefe. Inclusive nas assembleias, todos

se questionam se isso não seria mesmo um…

– Você não entende…!

– Eu… Bem, eu não posso ir, pai! – Hypólito disse de uma vez a resolução que

remoía em seus devaneios. Para Hypólito, Posídon desistiria da absurda ideia de destruir

o seatead, ainda na quinta-feira. Jamais pensara que o pai levaria a cabo todas as

ameaças. O que ele ganharia com a destruição de South? Hypólito não sabia. E ele se

sentia mal ao saber que todos os habitantes de South, seus vizinhos, seus colegas de

estudo, professores, todos pereceriam. Todavia, seu estômago realmente deu uma

cambalhota ao lembrar-se que, entre os contados para morrer estava Ludmilla. Mais que por

todos, ele sentia por ela um forte sentimento de proteção e de resguardo; ele não

permitiria jamais que o mar devorasse a vida daqueles lábios, que agora pensava lhe

pertencer. Ele não permitiria isso. Não mesmo!

– Como? O que disse? – perguntou Posídon, sem entender.

Num ímpeto, Hypólito, tão forte e corajoso, caiu de joelhos ali mesmo, entre a

janela e os pés de Posídon, para implorar ao deus, pela vida da princesa, pelo menos.

Posídon sentia-se ultrajado por ver seu filho apaixonado pela protegida de uma deusa

rival. Pensou em jogar o filho ao mar, pensou em sequestrá-lo a força, mas se rendeu,

enfim, às lágrimas de sincero amor, que este derramava por esta garota que sequer sabia

que Hypólito era filho de Posídon. Por fim, impôs as condições do resgate:

– Como você sabe, você herdou a minha proteção e meus dons sobre o mar.

Portanto, onde você estiver não será tocado pela tempestade, nem pelo mar. Logo,

mantenha-a perto de você até acabar tudo isso. Assim ela também será poupada. Se

você não conseguir mantê-la perto de você, cessará minha responsabilidade sobre o que

quer que aconteça. Dito isso, o deus grego desapareceu. Lá fora, a chuva caia fina sobre

a Colônia Três.

De volta ao seu quarto, Ludmilla ligou seu aparelho MP3 player e colocou uma

canção suave. Olhou pela janela e viu nuvens escuras cobrindo o céu; e uma chuva fina

já caía lá fora. A Lua já estava toda coberta pelo negrume da cumulus-nimbus, que

vinha ameaçadora. Ela ficou alguns minutos fitando o céu, até que a chuva, já bastante

forte, começou a invadir seu quarto. Fechou rapidamente a janela, pegou um pouco de

água da torneira e colocou numa espécie de chaleira elétrica. Sessenta segundos depois,

a chaleira já apitava com o vapor da água quente. A princesa colocou um pouco de água

numa caneca, inseriu um saquinho de chá e deixou-o imerso, por alguns momentos,

enquanto trocava de roupa. A princesa prendeu o cabelo num simples rabo-de-cavalo,

com uma piranha, vestiu uma camisa branca larga e sem estampa e, apenas de calcinha

e camiseta, desfilou pelo apartamento, procurando açúcar ou adoçante.

Sentada na poltrona, Ludmilla saboreava seu chá de camomila, enquanto

relembrava do agradável jantar que acabara de ter, das conversas, dos risos, das piadas,

do intercâmbio de cultura e conhecimento. Ela deixara a representante da nação South e

seu marido na casa da vizinha e voltara para seu apartamento, do outro lado da estreita

rua. Apesar dos pedidos para que pousasse lá, ela, Ludmilla não quis deixar de

experimentar, por pouco que fosse, o seu tempo de verdadeira liberdade que agora tinha

em South. Sem guardas, sem damas de companhia, sem vigilância, sem decoro, sem

protocolos para seguir, sem paparazzi, sem formalidades, sem nada. Há milhares de

quilômetros do seu palácio, Ludmilla estava livre e, finalmente, se sentia apenas uma

garota, ou melhor, uma mulher. Uma mulher anarquista, que não devia nada para

ninguém; nem mesmo satisfações. Deixando de lado o chazinho de camomila, Luiza

saltou da poltrona e assaltou o pote de sorvete de baunilha, que deixaram para ela, no

refrigerador; uma simples traquinagem que em seu palácio não seria facilemente

permitido sem que antes metade do castelo já não tomasse conhecimento.

Ainda estava com a colher cheia de sorvete na boca, quando bateram na porta.

Ludmilla levantou-se e foi atendê-la, esquecendo-se que estava seminua e totalmente à

vontade. Ao abrir a porta, ela assustou-se em ver Hypólito de pé, completamente

enxarcado na sua porta, sobre o tapete de “bem-vindo”.

Ludmilla não sabia onde enfiar a cara, tamanha vergonha. Agora, só agora, ela

se dera conta de que estava seminua, descalça, desarrumada. E estava de frente de um

dos homens mais lindos que ela já vira; seus cabelos negros estavam ensopados,

escorrendo água em seu rosto liso e perfeitamente simétrico. Seu sorriso perfeito refletia

a luz do seu quarto; seus músculos rijos e esculpidos debaixo da camiseta molhada

estavam mais visíveis e bem marcados. Hypólito disse-lhe um contente e agradável boa-

noite, que Ludmilla não soube imitar com realismo.

Não era pra menos; desde que conhecera tal rapaz, Ludmilla não fora mais a

mulher educada e inteligente que aprendera a ser; agora ela era mais mocinha

desajeitada e ingênua. Ela não se sentia mais como uma princesa, mas como uma

deslocada, sem recato ou elegância típica da realeza. Ludmilla, ainda sem jeito, viu que

não havia outro remédio agora, que convidar o garotão para entrar e se secar. O que

daria tempo dela se vestir respeitosamente. Hypólito – que praticamente voara na sua

lancha em direção a Colônia Um, em meio àquela chuva, só para encontrar sua amada a

tempo estar com ela durante os piores acontecimentos –, entrou sem demora e, tomando

a maçaneta de suas delicadas mãos, trancou a porta por dentro, dando duas voltas na

 Naquela noite o semideus e a princesa fariam amor pela primeira vez, enquanto

que, lá fora, o mar encapelava-se, como que preparando o abalo das estruturas das três

plataformas marinhas.

Ludmilla abriu os olhos e se viu deitada ao lado de Hypólito. Uma satisfação

enorme, advinda da noite anterior, refulgia em sua mente. Ludmilla levantou-se, como

que em sonho, sentindo-se a mais feliz das mulheres. Ela dançava na cozinha e,

voltando ao quarto, para certificar-se que não era um sonho, chegou a se beliscar e a dar

pulinhos de alegria. Ludmilla, que era virgem, agora tinha perdido a sua virgindade, não

com um dos príncipes europeus insossos, mas com o homem mais bonito, gentil,

atencioso e misterioso que jamais conhecera. E ela sentia algo bastante especial pelo

garotão. Ainda se congratulando, Ludmilla abriu a porta e saiu para a chuva, a fim de

dançar e pular e comemorar com mais liberdade.

Lá fora chovia forte, mas Ludmilla já não se importava com os pingos da chuva

parecendo bolas de gude; ela tivera a melhor noite da sua “vidinha” sem graça e sem

emoção. Andando como que em sonho, em direção ao monumento de vidro dos

primeiros moradores de South, Ludmilla escorregou e torcera o pé esquerdo. A dor foi

um alarme para a realidade: ela estava sozinha, na tempestade. Ventos fortes

balançavam tudo ao seu redor. Ao longe, Ludmilla viu o mar encapelado subir e lavar a

torre Barroca, jogando ao mar diversos animais e plantas em mar aberto. Alguns deles,

como macacos e cobras, eram levados junto com os galhos das árvores em que se

apoiavam, pelas fortes ondas enfurecidas. Ludmilla, ainda estirada no chão, tentou pedir

por socorro, por ajuda, mas o barulho da chuva no metal do chão e dos prédios a

impedia de ser ouvida. Será que ninguém a ouvia? Onde estaria todo mundo? Então,

num único instante, o monumento de vidro oscilou e caiu sobre a princesa, ferindo-a

gravemente.

Mortalmente ferida, Ludmilla percebeu o chão debaixo de si, tremia e se

desfazia, engolindo tudo; os minijardins, os prédios, os patinetes, os monumentos, os

carbonários em desespero… Tudo era lançado e devorado pelo mar bravio. Ludmilla

sabia que ela e toda a plataforma, afundavam no Mar Oceano, assim como outra mítica

civilização…

Por volta das nove horas da manhã, Hypólito acordou. O sol já estava alto no

céu. O garotão olhou ao redor e viu que a estrutura do apartamento da sua princesa

estava intacta. Com um sorriso no rosto, Hypólito espreguiçou-se e, ao chamar a

princesa pelo nome, não obteve resposta. Hypólito achou que ela estivesse no banheiro

e, decidiu levantar-se para ver o que havia para o café. Dando alguns passos, ele viu que

a porta, que ele mesmo trancara, estava agora escancarada. No seu coração, tomava

forma um palpite tão tenebroso, que Hypólito não ousou sequer pensar nele nem por um

minuto. No fundo do seu coração, Hypólito sabia que Ludmilla não estava mais com

ele. Certamente ela havia saído do quarto e estava longe da segurança do apartamento,

longe da segurança dos seus braços: o único lugar seguro em todo o Atlântico, naquela

noite, quando South sucumbira.

Surpreendentemnte, a partir do tapete de “Bem-Vindo”, já não havia mais South.

Todo o vestigio da existência daquela nação estava nos destroços espalhados por

quilômetros de água salgada. Tudo havia sido tragado, submergido. Inclusive Ludmilla.

Um grito de dor rasgou-lhe o peito e ecoou em águas internacionais. Lágrimas

salgadas, choro, angústia sem fim, sob o sol de nove horas, num céu de azul claríssimo.

Ele não saberia viver sem sua amada a partir de então. Angustiado de coração com a  

pior das tragédias e perturbado com tamanha dor, Hypólito sentiu-se sem chão (apesar

de estar sobre a única coluna que resistia em pé). Sentado no abismo que o separava da

sua amada, ele não sabia o que fazer ou a quem recorrer. Quem, no panteão dos deuses

poderia agora aliviar sua dor? Onde buscar Ludmilla em meio a tantos destroços? O que

fazer com este amor que ele descobriu (tarde demais) sentir por ela, Ludmilla? Talvez

ela estivesse nas nuvens. Mas não havia nuvens no céu, não é? Não importa! E

Hypólito, ainda sentado na beira da única placa de aço que resistia sobre o mar, cantou

um triste e fúnebre canto:

♦♣♥♠

“São tão confortáveis as nuvens,

Não é?

Parece algodão de esperança!

Não é?

Por favor, confirme o que te digo!

Por que eu não posso te ouvir?

São as nuvens, eu sei.

Terminado o mergulho, vamos passear,

Não é?

Se eu perder o cadarço ou o juízo,

Você vem me buscar de manhã,

Não é?

Por que você insiste em ficar com a boca

Fechada. Calada. Morta.

Se eu preciso tanto de você?

Por favor, diga-me que amanhã fará bom tempo,

Que as nuvens não vão esconder tudo.

São tão confortáveis, as nuvens…!

Tão confortáveis, as nuvens…!

Tão confortáveis…!

Mas elas me escondem seu sorriso!”

♥♠♦♣

Não suportando mais tanta dor, tanta tristeza e desespero, Hypólito, em prantos,

partiu heroicamente, tal como Ismália, pelo caminho no qual sua nobre amada se

embrenhara, em busca da princesa de sua alma.

FIM.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 17 de dezembro de 2015 por em Contos, Contos de Ficção Científica e marcado .

A saga de um andarilho pelas estrelas

DIVULGAÇÃO A pedido do autor Dan Balan. Sinopse do livro. Utopia pós-moderna, “A saga de um andarilho pelas estrelas” conta a história de um homem que abandona a Terra e viaja pelas estrelas, onde conhece civilizações extraordinárias. Mas o universo guarda infinitas surpresas e alguns planetas podem ser muito perigosos. O enredo é repleto de momentos cômicos e desconcertantes que acabam por inspirar reflexões sobre a vida e a existência. O livro é escrito em prosa em dez capítulos. Oito sonetos também acompanham a narrativa. (Editora Multifoco) Disponível no site da Livraria Cultura, Livraria da Travessa, Editora Multifoco. Andarilho da estrela cintilante Por onde vai sozinho em pensamento, Fugindo dessa terra de tormento, Sem paradeiro certo, triste errante? E procurar o que no firmamento, Que aqui não encontrou sonho distante Nenhum outro arrojado viajante? Volta! Nada se perde com o tempo... “Felicidade quis, sim, encontrar Nesse vasto universo, de numerosas, Infinitas estrelas, não hei de errar! Mas ilusão desfez-se em nebulosas, Tão longe descobri tarde demais: Meu amor deste lugar partiu jamais!”

Divulgação

Bom dia.
Aproveito este espaço para divulgar o livro da escritora Melissa Tobias: A Realidade de Madhu.

- Sinopse -

Neste surpreendente romance de ficção científica, Madhu é abduzida por uma nave intergaláctica. A bordo da colossal nave alienígena fará amizade com uma bizarra híbrida, conhecerá um androide que vai abalar seu coração e aprenderá lições que mudará sua vida para sempre.
Madhu é uma Semente Estelar e terá que semear a Terra para gerar uma Nova Realidade que substituirá a ilusória realidade criada por Lúcifer. Porém, a missão não será fácil, já que Marduk, a personificação de Lúcifer na Via Láctea, com a ajuda de seus fiéis sentinelas reptilianos, farão de tudo para não deixar a Nova Realidade florescer.
Madhu terá que tomar uma difícil decisão. E aprenderá a usar seu poder sombrio em benefício da Luz.

Novo Desafio EntreContos

Oi pessoal, o site EntreContos - Literatura Fantástica - promove novos desafios, com tema variados sendo uma excelente oportunidade de leitura. Boa sorte e boa leitura.

Publique aqui.

Convidamos você que gosta de escrever contos e mini contos dos gêneros de ficção científica, literatura fantástica e terror a nos enviar seus trabalhos para serem publicados neste site, com os créditos ao autor, é claro.
PARTICIPE!

Divulgação

Prezados leitores e colegas. Faço uso do post para divulgar os trabalhos de nosso colega Luiz Amato no site Wattpad.

Literatura fantástica, ficção cientifica, terror

Espaço dedicado à escrita e leitura deste gênero literário.

Estatísticas do blog

  • 87,369 hits

Arquivos

Categorias

Publique aqui.

Convidamos você que gosta de escrever contos e mini contos dos gêneros de ficção científica, literatura fantástica e terror a nos enviar seus trabalhos para serem publicados neste site, com os créditos ao autor, é claro.
PARTICIPE!

Divulgação

Prezados leitores e colegas. Faço uso do post para divulgar os trabalhos de nosso colega Luiz Amato no site Wattpad.
%d blogueiros gostam disto: