Fantasticontos, escritos e literários

Blog para contos de ficção científica, literatura fantástica e terror

Encontro marcado


drifted_by_korbox-d512kyq

 

 

 

 

A madrugada fria e a garoa que caia na Praça da República, faziam com que Bartolomeu sentisse os ossos congelando. Não se lembrava de ter visto um tempo tão frio na cidade nos últimos anos, puxou o agasalho de nylon o mais que podia chegando a colocar algumas folhas de jornal por entre a camiseta e o agasalho em uma vã tentativa de se esquentar. O frio doía.

Às três da manhã as ruas estavam desertas, raramente via alguém se movimentando. Às vezes algum malandro passava em busca de uma vítima desatenta ou um carro de polícia garantindo a segurança dos que trabalhavam à noite.

Mas aquela noite era diferente, escura, a lua no céu mostrava-se como um fio fino de prata, quando podia ser vista entre as pesadas nuvens cinzentas que trouxeram o frio dos últimos dias.

Dormia nas ruas há dez anos ou mais. Desde que perdera Laura, sua vida se desestabilizou, abandonou o emprego, se afastou dos poucos amigos que tinha, separou-se da família. Uma tristeza profunda tomou conta dele, por fim a depressão.

Aumentou o passo quando a chuva se intensificou, chegando ao lugar que procurava. Sentou-se de costas para uma parede ainda seca protegida por uma marquise da chuva e dos ventos.

Viu um grupo de sem tetos chegar quase correndo, conhecia todos, uns dez, inclusive três garotos perdidos para o crack. Perguntaram se podiam ficar ali com ele que concordou. A segurança que tinham residia na companhia uns dos outros. Se ajeitaram em cobertores velhos e rasgados que cheiravam mal. Um dos garotos começou a chorar, ele já tinha ouvido aquele tipo de som antes. Era fome!

Chegou à conclusão que não podia ficar ali, levantou-se e seguiu pelas ruas próximas e escuras até visualizar um velho casarão cujas portas estavam arrebentadas e servia como covil para bandidos e abrigo para aqueles, que como ele, eram esquecidos pela sociedade.

Bartolomeu passou a mão no braço esquerdo sentindo a pequena barra de aço que o protegia há anos, depois retirou uma foto velha e amassada do bolso interno do agasalho e com a luminosidade de uma pequena chama fornecida por um isqueiro, olhou novamente para o rosto da mulher que um dia amou.

Mesmo depois de anos, a lembrança lhe era vívida. Foi em uma noite parecida com esta que ele a perdeu, ela trabalhava em uma gráfica ali perto, seu carro teve um defeito e ela inadvertidamente o abandonou se aventurando na madrugada, cruzando aquela região a pé.

Seu corpo foi achado dois dias depois em um prédio abandonado, destroçado, semidevorado, sem sangue. A imprensa noticiou por dois dias, depois perdeu o interesse. Nunca acharam o assassino. Nos anos vindouros outros haviam perecido como ela, mas como era habitual, ninguém se importou.

Bartolomeu saiu do prédio, colocou o capuz na cabeça e foi solitário andando pelas ruas mal iluminadas e vazias em direção a velha Praça, quando poucos metros à sua frente viu uma mulher parada na chuva. Bem vestida, em um casaco de couro comprido fechado até a gola, luvas e botas negras altas, tinha apenas um chapéu preto protegendo-lhe os cabelos loiros. Ele continuou andando, cabeça baixa e se afastou um pouco do trajeto para que a mulher não sentisse medo. Ao passar por ela, sentiu seu olhar a observá-lo. Olhou de volta em um reflexo, ao cruzar os olhos percebeu que neles havia muitos sentimentos, menos o medo. Andou pouco mais de uma centena de metros, virou-se e observou a rua por onde passou vendo que a mulher o seguia.

Sorriu.

Antes de chegar à esquina, um vulto a frente saiu das sombras com os braços abertos, segurando um saco de papel. Bartolomeu parou e ficou olhando a figura. Era um homem alto, mais de um metro e noventa. Mesmo com sobretudo e o chapéu coco, viu se tratar de um homem forte, ainda assim menor que ele. Escutou a mulher se aproximando por trás e se posicionou de lado para os dois. A descrição batia com aquela que os moradores de rua lhe tinham feito.

Seria hoje, pensou. Depois de tantos anos? Um leve tremor alcançou-lhe as mãos e a garganta.

O homem de chapéu coco sorria, seus olhos transmitiam serenidade, quase como se fosse um convite para relaxar. Sua mão direita balançava levemente o pacote grande no alto, oferecendo o seu conteúdo.

Tenho comida, amigodisse com um sorriso largo nos lábiosum sanduíche, sinta o aroma. Não quer comer?

A mulher agora segurava o chapéu em uma das mãos enluvadas e passou lentamente por ele, sorrindo. Seus olhos verdes claros fitavam-no com interesse. Lembrava-se daquele olhar em outro rosto, era um convite para o sexo.

Gostou dela, homem alto? Tome-a, faça sexo até se fartardisse o homem de chapéu coco sorrindo. – Tem medo?

Bartolomeu viu que a mulher se afastou uns dois passos enquanto o homem lhe jogava o pacote de papel.

Esperei por vocês muito tempo – falou Bartolomeu em tom de voz baixa – encontro marcado!

Vai ser agora, Bartolomeu pensou quando um arrepio percorreu-lhe o corpo. Olhou rápido para o homem de chapéu coco, a tempo de ver seus olhos se tornarem amarelos e mesmo sob o agasalho percebeu seu tórax se alongar e inchar, enquanto sua outra mão apanhava, na cintura, um facão grande atacando-o com violência. Nesse mesmo instante a mulher jogou um objeto contra a única lâmpada que trazia luminosidade à rua. Bartolomeu soube que agora estava a mercê de um único poste no início da quadra.

Só teve tempo de levantar o braço protegido pela barra de aço. O tinir de metal contra metal foi ouvido longe e Bartolomeu quase se desequilibrou tamanha a violência do golpe. Sacou uma faca de metal negro e olhou novamente o homem, um segundo golpe quase lhe arrancou o braço, mas ele se desviou e enterrou a lâmina no ombro esquerdo do outro. O homem de chapéu coco gritou, como um rugido.

A mulher loira ao ouvir o grito de seu companheiro se desesperou e saltou sobre Bartolomeu, suas mãos agora eram garras poderosas e de sua boca sensual agora brotavam dentes grandes e pontiagudos que avançavam em sua direção. Tinha que agir rápido senão ia morrer. Deixou seu corpo cair para trás na medida em que a criatura caia sobre ele. Sacou da cintura, uma faca de madeira de teca de vinte centímetros, e quanto mais a mulher se forçava contra ele, mais a arma enterrava-lhe no peito.

Por um segundo ela o olhou sem compreender o que acontecia, estava completamente surpresa. Bartolomeu percebeu seu lindo rosto voltando ao normal, voltando a ser a mulher maravilhosa que viu a alguns minutos. Percebeu que ela falaria algo, mas apenas soltou ar pela boca enquanto se afogava no próprio sangue.

Vendo a cena, o homem de chapéu coco gritou de fúria e recuperando o facão, jogou-o na direção de Bartolomeu que no último segundo, se esquivou. Revidou imediatamente, pegou na cintura outra faca de teca e arremessou, acertando o coração do adversário.

Bartolomeu ficou observando o rosto do homem voltar ao normal, era humano de novo. Ele balbuciou algo, uma pergunta.

Por quê?

Bartolomeu ajoelhou-se ao lado dele em seus últimos momentos, tirou a velha foto do bolso do agasalho e lhe mostrou. 

Por Laura.

 

 

Um conto de Swylmar Ferreira

Imagem meramente ilustrativa retirada de  http://www.deviantart.com/art/Drifted-304130978

Anúncios

4 comentários em “Encontro marcado

  1. Soriedem
    15 de novembro de 2016

    Swylmar! Gostei muito do conto. Parabéns.
    Andre Bosi

    • fantasticontos
      23 de novembro de 2016

      Muito grato Andre Bosi.
      Este conto perambulou pela minha cabeça muito tempo até que o escrevi.
      Depois ficou encaixotado até que o publiquei.
      Agradeço novamente meu caro.
      Estou no aguardo de outro conto seu para publicação.
      Forte abraço
      Swylmar

  2. Soriedem
    15 de novembro de 2016

    Swylmar! Gostei do conto. Parabéns.
    Andre Bosi

  3. AntimidiaBlog
    3 de novembro de 2016

    Republicou isso em REBLOGADOR.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 2 de novembro de 2016 por em Contos, Contos de Terror.

A saga de um andarilho pelas estrelas

DIVULGAÇÃO A pedido do autor Dan Balan. Sinopse do livro. Utopia pós-moderna, “A saga de um andarilho pelas estrelas” conta a história de um homem que abandona a Terra e viaja pelas estrelas, onde conhece civilizações extraordinárias. Mas o universo guarda infinitas surpresas e alguns planetas podem ser muito perigosos. O enredo é repleto de momentos cômicos e desconcertantes que acabam por inspirar reflexões sobre a vida e a existência. O livro é escrito em prosa em dez capítulos. Oito sonetos também acompanham a narrativa. (Editora Multifoco) Disponível no site da Livraria Cultura, Livraria da Travessa, Editora Multifoco. Andarilho da estrela cintilante Por onde vai sozinho em pensamento, Fugindo dessa terra de tormento, Sem paradeiro certo, triste errante? E procurar o que no firmamento, Que aqui não encontrou sonho distante Nenhum outro arrojado viajante? Volta! Nada se perde com o tempo... “Felicidade quis, sim, encontrar Nesse vasto universo, de numerosas, Infinitas estrelas, não hei de errar! Mas ilusão desfez-se em nebulosas, Tão longe descobri tarde demais: Meu amor deste lugar partiu jamais!”

Divulgação

Bom dia.
Aproveito este espaço para divulgar o livro da escritora Melissa Tobias: A Realidade de Madhu.

- Sinopse -

Neste surpreendente romance de ficção científica, Madhu é abduzida por uma nave intergaláctica. A bordo da colossal nave alienígena fará amizade com uma bizarra híbrida, conhecerá um androide que vai abalar seu coração e aprenderá lições que mudará sua vida para sempre.
Madhu é uma Semente Estelar e terá que semear a Terra para gerar uma Nova Realidade que substituirá a ilusória realidade criada por Lúcifer. Porém, a missão não será fácil, já que Marduk, a personificação de Lúcifer na Via Láctea, com a ajuda de seus fiéis sentinelas reptilianos, farão de tudo para não deixar a Nova Realidade florescer.
Madhu terá que tomar uma difícil decisão. E aprenderá a usar seu poder sombrio em benefício da Luz.

Novo Desafio EntreContos

Oi pessoal, o site EntreContos - Literatura Fantástica - promove novos desafios, com tema variados sendo uma excelente oportunidade de leitura. Boa sorte e boa leitura.

Publique aqui.

Convidamos você que gosta de escrever contos e mini contos dos gêneros de ficção científica, literatura fantástica e terror a nos enviar seus trabalhos para serem publicados neste site, com os créditos ao autor, é claro.
PARTICIPE!

Divulgação

Prezados leitores e colegas. Faço uso do post para divulgar os trabalhos de nosso colega Luiz Amato no site Wattpad.

Literatura fantástica, ficção cientifica, terror

Espaço dedicado à escrita e leitura deste gênero literário.

Estatísticas do blog

  • 94,450 hits

Arquivos

Categorias

Publique aqui.

Convidamos você que gosta de escrever contos e mini contos dos gêneros de ficção científica, literatura fantástica e terror a nos enviar seus trabalhos para serem publicados neste site, com os créditos ao autor, é claro.
PARTICIPE!

Divulgação

Prezados leitores e colegas. Faço uso do post para divulgar os trabalhos de nosso colega Luiz Amato no site Wattpad.
%d blogueiros gostam disto: