Fantasticontos, escritos e literários

Blog para contos de ficção científica, literatura fantástica e terror

Mito ou herói


Icaro

Pode o homem ser mais do que um homem? Esta pergunta sempre esteve em minha mente.

Hoje mesmo a questão me veio por diversas vezes. Estava cansado de dirigir o Focus vermelho, quase vinho, pela estrada litorânea por tantas horas seguidas. Ansiava parar e esticar as pernas. Quem sabe, se achasse uma barraca à beira mar perto de alguma cidadezinha, poderia parar comprar um coco e beber a maravilhosa água adocicada. Tirei o pé do acelerador e arrisquei uma olhadela em direção ao azul que cobria desde a praia até o limiar do horizonte onde os olhos podiam alcançar.

O ziguezaguear, as subidas e as descidas constantes da estrada mostravam paisagens litorâneas que poucos teriam o privilégio de enxergar. Decidi parar.

A estrada naquele ponto era margeada por uma área de escape de terra de largura e comprimento razoáveis. Saltei do carro e estiquei as pernas e os braços, sentindo certo alivio. Caminhei até a beira da área onde um guard rail velho e alquebrado fingia proteger a vida de motoristas que ousavam por ali. Passei pelo metal retorcido e em alguns passos cheguei à beira do precipício. Olhei demoradamente para baixo, onde o mar e a terra se enfrentavam em um barulho alto e inebriante. Sorri ao sentir o vento morno do fim de tarde de verão em meu rosto. Olhei de novo, a altura era razoável, vinte metros ou pouco mais.

Duas coisas chamaram-me a atenção. A primeira era a bola vermelha no céu se aproximando cada vez mais do mar e que em breve penetraria a linha do horizonte. Ri alto ao lembrar das revistas em quadrinhos que lia em minha meninice.

– Bem vindo a Kripton – falei alto.

A segunda foi uma SUV que acabara de estacionar mais a frente na área de escape. Fiquei observando enquanto duas mulheres saltavam do carro, conversando alegremente sobre alguma coisa. Abriram o porta-malas e tiraram uma garrafa com conteúdo colorido, um suco talvez, enquanto riam e matraqueavam sem parar.

Percebi uma das portas de trás do carro semiaberta, mas não dei importância. Estiquei mais uma vez as costas, levantando os braços ao alto como se quisesse alcançar os céus. Voltei para o carro, abri a porta e me preparava para entrar quando ouvi gritos.

Olhei ao meu redor a tempo de ver uma menina pequena atravessar correndo a barreira retorcida e inútil e ir em direção ao precipício.

Novos gritos das mulheres chamando um nome feminino. Desespero. A criança subitamente desapareceu no entardecer.

Um misto de desespero e horror tomou conta das duas. Olhei no olhos da que estava mais próxima e ouvi súplicas por ajuda.

– Salve minha filha – gritava ela enquanto afundava os dedos trêmulos em meu braço.

Por um mínimo instante o medo tomou conta de meu coração. Veio em minha cabeça a consciência da diferença de altura entre o barranco e o mar, da agitação que tomava conta das ondas e da pouca chance de sobrevivência se tentasse socorrer a menina. O medo parecia tomar conta do meu ser, cheguei a pensar em entrar em meu carro e sumir dali.

Aquela situação inusitada era como um filme passando em câmera lenta. Então, sem pensar mais, comecei a correr em direção ao barranco. Olhei outra vez a mulher, que ao largar o meu braço se desequilibrou, caindo sentada na terra dura.

Um passo, dois, e o salto.

Voei!

Como os pássaros, senti o vento frio e veloz que vinha do mar em meu rosto. Experimentei a leveza e o prazer que Dédalo e Ícaro sentiram em tempos imemoriais ao desafiar os céus, conheci a verdadeira liberdade. O homem nasceu para voar.

Percebi que voava?

Tinha que focar o pensamento. A criança ainda não afundara no oceano, ela se debatia como uma boneca lançada sem direção pelas poderosas ondas. Mergulhei. O forte impacto me tonteou por segundos. Olhei para cima e a vi. Voei em sua direção e a peguei ao tempo que uma onda cobria nossas cabeças.

Uma sensação de prazer me sobreio. Lembrei que o início da existência humana é em uma bolsa repleta de líquido amniótico, nadando, voando naquele mar. Os braços da menina apertaram meu pescoço e seus lindos olhos negros olhavam dentro dos meus em uma infinitude indescritível. Ela precisava viver.

Não podíamos mais ficar ali. Voei em direção ao céu, em direção à linha que separava o nada da faixa de terra, onde as mulheres nos olhavam ainda em desespero.

Elas olhavam para mim, estupefatas. Uma tomou a criança chorosa de meus braços, a abraçou e caiu de joelhos em prantos. A outra deu um passo em minha direção, boquiaberta, me olhando sem entender. Acompanhou-me até o carro, tocou minha mão quando entrei, balançando a cabeça. Nada precisava ser dito.

Liguei o Focus e saí da área de escape entrando acelerado na estrada. Me veio outra vez na mente a pergunta:

Pode o homem ser mais do que um homem?

 

Conto de Swylmar Ferreira                                           em 07 de outubro de 2014.

Imagem meramente ilustrativa retirada do site: http://lacapannadellozioblog.wordpress.com/2012/05/07/dedalo-ed-icaro/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 8 de outubro de 2014 por em Contos, Contos de Ficção Científica.

A saga de um andarilho pelas estrelas

DIVULGAÇÃO A pedido do autor Dan Balan. Sinopse do livro. Utopia pós-moderna, “A saga de um andarilho pelas estrelas” conta a história de um homem que abandona a Terra e viaja pelas estrelas, onde conhece civilizações extraordinárias. Mas o universo guarda infinitas surpresas e alguns planetas podem ser muito perigosos. O enredo é repleto de momentos cômicos e desconcertantes que acabam por inspirar reflexões sobre a vida e a existência. O livro é escrito em prosa em dez capítulos. Oito sonetos também acompanham a narrativa. (Editora Multifoco) Disponível no site da Livraria Cultura, Livraria da Travessa, Editora Multifoco. Andarilho da estrela cintilante Por onde vai sozinho em pensamento, Fugindo dessa terra de tormento, Sem paradeiro certo, triste errante? E procurar o que no firmamento, Que aqui não encontrou sonho distante Nenhum outro arrojado viajante? Volta! Nada se perde com o tempo... “Felicidade quis, sim, encontrar Nesse vasto universo, de numerosas, Infinitas estrelas, não hei de errar! Mas ilusão desfez-se em nebulosas, Tão longe descobri tarde demais: Meu amor deste lugar partiu jamais!”

Divulgação

Bom dia.
Aproveito este espaço para divulgar o livro da escritora Melissa Tobias: A Realidade de Madhu.

- Sinopse -

Neste surpreendente romance de ficção científica, Madhu é abduzida por uma nave intergaláctica. A bordo da colossal nave alienígena fará amizade com uma bizarra híbrida, conhecerá um androide que vai abalar seu coração e aprenderá lições que mudará sua vida para sempre.
Madhu é uma Semente Estelar e terá que semear a Terra para gerar uma Nova Realidade que substituirá a ilusória realidade criada por Lúcifer. Porém, a missão não será fácil, já que Marduk, a personificação de Lúcifer na Via Láctea, com a ajuda de seus fiéis sentinelas reptilianos, farão de tudo para não deixar a Nova Realidade florescer.
Madhu terá que tomar uma difícil decisão. E aprenderá a usar seu poder sombrio em benefício da Luz.

Novo Desafio EntreContos

Oi pessoal, o site EntreContos - Literatura Fantástica - promove novos desafios, com tema variados sendo uma excelente oportunidade de leitura. Boa sorte e boa leitura.

Publique aqui.

Convidamos você que gosta de escrever contos e mini contos dos gêneros de ficção científica, literatura fantástica e terror a nos enviar seus trabalhos para serem publicados neste site, com os créditos ao autor, é claro.
PARTICIPE!

Divulgação

Prezados leitores e colegas. Faço uso do post para divulgar os trabalhos de nosso colega Luiz Amato no site Wattpad.

Literatura fantástica, ficção cientifica, terror

Espaço dedicado à escrita e leitura deste gênero literário.

Estatísticas do blog

  • 87,369 hits

Arquivos

Categorias

Publique aqui.

Convidamos você que gosta de escrever contos e mini contos dos gêneros de ficção científica, literatura fantástica e terror a nos enviar seus trabalhos para serem publicados neste site, com os créditos ao autor, é claro.
PARTICIPE!

Divulgação

Prezados leitores e colegas. Faço uso do post para divulgar os trabalhos de nosso colega Luiz Amato no site Wattpad.
%d blogueiros gostam disto: